A Amazon tem uma cláusula nos Termos e Condições que contempla um ataque zombie

 

As empresas tomam todas as precauções devidas nos seus termos e condições de serviços para se protegerem e avisarem os utilizadores que os consomem das suas limitações. E dentro disto, o que achas que eles conseguem prever? Uma crise de saúde? Eventos meteorológicos? Um erro humano? Ou talvez um apocalipse zombie?

A ideia de um apocalipse zombie e de como pode interferir com os serviços da tua empresa pode parecer inacreditável e até alarmista, mas nunca faz mal tomar precauções. A Amazon, uma das maiores empresas do mundo, tem uma secção onde limita a utilização dos seus servidores para o caso de os zombies se apoderarem do mundo.

O documento Amazon Web Services (AWS) Terms of Service pode ser encontrado no site da Amazon, que detalha uma secção sobre a utilização do Amazon Lumberyard Engine, um motor de jogo que permite aos programadores criar e alojar os seus produtos no AWS, mas não só os jogos são integrados, como também milhares de websites e serviços de internet.

A Amazon menciona que o Lumberyard não foi concebido para ser utilizado em sistemas críticos para a vida ou de segurança. Isto significa basicamente que os seus serviços não podem ser utilizados para o funcionamento de equipamento médico, transporte autónomo ou no controlo de tráfego aéreo ou aéreo. Para além disso, não pode ser utilizado para operar instalações nucleares, naves espaciais tripuladas ou para uso militar.

 

Estas condições parecem rigorosas. No entanto, esta cláusula, listada como 42.10, tem uma excepção que deu mais do que falar, afirmando que estas restrições serão levantadas se ocorrer um ataque de zombies:

“Contudo, esta restrição não se aplica no caso da ocorrência (com certificação dos Centros de Controlo de Doenças dos Estados Unidos ou da sua agência sucessora) de uma infecção viral generalizada transmitida através de picadas ou contacto com fluidos corporais que faça reviver cadáveres humanos e tente consumir carne, sangue, cérebro ou tecido nervoso humano vivo e que seja susceptível de levar à queda da civilização organizada”.

Esta cláusula não é recente. Pelo contrário, já existe nos termos desde 2016 e sobreviveu à actualização de 2021, pelo que continua a fazer parte das condições da Amazon.

Fazias ideia?