A internet quer cancelar a Miss Piggy por anos de abusos e violência praticadas ao Sapo Cocas

 

Vivemos tempos em que qualquer passo em falso gera ao cancelamento imediato de quem o realizou e parece que a avalanche continua, desta vez com Miss Piggy no centro das acusações. Acontece que ao longo da história de os Marretas, ela estava constantemente a assediar o Sapo Cocas e realizou-lhe muito bullying, que é interpretado como algo inadequado e que não é um bom exemplo para os tempos em que vivemos hoje.

Para além do assédio, diz-se que a popular porquinha “normaliza a violência doméstica”, uma vez que existem várias cenas em que Miss Piggy agrediu fisicamente o Sapo Cocas e depois pediu desculpa, para além de ela ser bem conhecida pelo seu mau humor e explosões de raiva contra os outros.

Isto foi tomado como um mau exemplo ao encorajar o comportamento violento dentro do casal. Após as acusações contra Pepe Le Pew e Speedy Gonzalez, por comportamento abusivo e racismo respectivamente, começou uma campanha contra a Miss Piggy no Twitter, e agora o Cocas é a vítima.

 

Centenas de comentários têm sido feitos sobre o assunto, alguns a falar de assédio, outros de violência no casal e outros a tentar trazer ao de cima o tópico das mulheres que também assediam e exercem violência sobre os homens.

A Miss Piggy é acusada não só de ser violenta com o seu parceiro, mas também com o resto das personagens e mesmo com os convidados que têm surgido na série popular há décadas.

Recentemente, a Disney+ acrescentou novas personagens à sua programação, o que aumentou os comentários e fez com que a empresa colocasse pelo até um aviso sobre estes conteúdos, certamente para evitar mais problemas. No comunicado deles, pode ler-se:

“Este programa inclui retratos negativos e/ou maus-tratos de pessoas ou culturas. Estes estereótipos estavam errados na altura e estão errados agora. Em vez de eliminar este conteúdo, queremos reconhecer o seu impacto prejudicial, aprender com ele, e gerar conversas para criarmos juntos um futuro mais inclusivo”.

O que dizer?