A mulher abandonou-os e ele criou sozinho o seu filho com Síndrome de Down

 

Evgeny Anisimov diz que não é nenhum herói, porque simplesmente tratou de fazer aquilo que qualquer homem deveria fazer no seu lugar, mas a verdade é que se não é herói, então é certamente um pai excelente.

Estatisticamente, a nível internacional, um em cada 1.00 recém-nascidos sofrem de uma alteração genética que dá como resultado o Síndrome de Down. O filho de Evgeny, Mishka, foi um destes bebés com uma cópia extra do cromossoma 21, e depois de chegar ao mundo, ficou a encargo do seu pai, que ficou sem a ajuda da sua mãe.

Como a grande maioria de nós, Anisimov não fazia a menor ideia daquilo que tinha de fazer para dar os cuidados extras a Mishka, mas desde que o médico mencionou a possibilidade de que o bebé viesse a nascer com Síndrome de Down, pôs-se a investigar o que lhes reservava o futuro.

Ele queria estar preparado, mas nem assim pôde evitar sentir uma enorme tristeza quando o médico lhe confirmou a condição do seu filho. Evgeny saiu do hospital a chorar, mas tentou tranquilizar-se e recuperar o ânimo.

 

Ele consolou-se ao dar-se conta de que existiam doenças e condições muito piores para um recém-nascido e assim, não queria desiludir o seu filho ou falhar com ele.

A mulher de Anisimov também estava a passar por uma forte crise e bem, queria mesmo levar Mishka para um orfanato para que outro alguém a criasse. Como Evgeny não podia sequer pensar nessa opção, o casal teve uma grande discussão e ela abandonou-os.

Depois de ter ficado sem a sua mulher, sobrava a Anisimov seguir em frente e cuidar do seu filho o melhor que conseguisse, isto sozinho.

O tempo passou e ainda hoje, Evgeny levanta-se diariamente a pensar como brindar Mishka com tudo o que ele precisa para ter uma vida plena e próspera. Este pai sabe que lhe esperam grandes batalhas e assim, quer estar sempre ao seu lado, a acompanhá-lo.

Todos falam do amor de mãe e daquilo que as mães fazem por nós mas neste caso, há que louvar este pai.

Grande.