A única p*rnstar do Afeganistão fugiu do país e diz ter a certeza que os Talibãs estão atentos a ela

Uma mulher que acredita poder ser a “única p*rnstar” do Afeganistão, diz estar certa de que os Talibãs a conhecem devido à sua popularidade.

 

Yasmeena Ali era uma jovem rapariga quando os Talibãs tomaram Cabul nos anos 90, e mais tarde mudou-se para a segurança do Reino Unido, onde diz ter tomado o controlo da sua própria sexualidade e abandonado o seu passado religioso muçulmano para se tornar ateia.

Ali, que diz ser a estrela p*rno #1 do Afeganistão, acredita ser altamente provável que os Talibãs – que estão de volta ao poder no seu país de origem – tenham visto o seu trabalho, que é partilhado no P*rnhub e OnlyFans.

Em conversa no podcast I Hate P*rn, ela disse: “Eles odeiam sobretudo o meu conteúdo porque não querem que o Afeganistão seja conhecido pela p*rnografia”.

“Como me atrevo a mostrar o meu corpo? Eles pensam que são donos do meu corpo e do que eu faço com o meu corpo e não tenho o direito de o mostrar e não posso ser uma verdadeira afegã se o fizer. A verdade é que não sei o que querem que eu faça. Aliás, talvez até haja por aí Talibãs que estejam a ver o meu conteúdo, quem sabe?”

“Tenho a certeza que já ouviram falar de mim. Eu não ficaria surpreendida. Basta escrever p*rnografia afegã e vão encontrar-me. Basta escrever essas duas palavras e vão ver o meu nome”.

Ali gere uma conta de OnlyFans, onde se descreve a si própria como uma “modelo adulta erótica/BDSM” que partilha “conteúdo sexy, quente, divertido e engraçado” com os seus subscritores.

Ali diz que a sua vida é agora marcadamente diferente da que tinha no Afeganistão. No mesmo podcast, ela falou das atitudes dos Talibãs em relação às mulheres.

“Todas as regras são apenas para as vantagens e prazer dos homens”, disse.

“Se a mulher está com o período, é considerado profano, sujo. Sem as mulheres não haveria raça humana, mas eles têm um problema com a sexualidade feminina, porque têm medo de perder o controlo”.

“Toda a ideia se baseia em controlar e subjugar as mulheres e isso só pode acontecer se elas não forem educadas, pelo que estão a seguir sem questionar. No momento em que lhes dás educação ou recursos, eles ameaçam o status quo e eles não querem isso, porque desfrutam do poder”.

“Esses homens adoram o poder. É uma mentalidade bárbara de homem das cavernas. Trata-se de poder e do controlo que se tem sobre alguém”.

Muito triste.