As 10 experiências mais cruéis da história que os governos fizeram com humanos

 

Por vezes, os governos dos países têm grandes segredos que querem que tu saibas. Alguns realizaram experiências verdadeiramente atrozes envolvendo a integridade e a dignidade humana. Para além disso, muitas delas puseram fim à vida de centenas de pessoas, quer em busca de objetivos “científicos”, quer simplesmente impondo-se aos direitos das pessoas.

É por isso que hoje recordaremos um pouco da história das experiências mais cruéis já realizadas em humanos.

Prepara-te…

1. Unidade 731 e as cirurgias sem anestesia

A Unidade 731 do Exército Imperial Japonês foi criada na década de 1930 para conduzir experiências humanas letais durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945) da Segunda Guerra Mundial. Os prisioneiros foram infetados com várias doenças para depois serem submetidos a várias vivisecções, muitas vezes sem anestesia.

Foram obrigados a ter relações sexuais para se infetarem com sífilis, tiveram os seus órgãos removidos, tiveram os seus membros congelados e foram espancados para determinar os níveis e consequências do congelamento.

2. Experiência de Tuskegee

Entre 1932 e 1972, o Serviço de Saúde Pública dos EUA decidiu não tratar a sífilis e observar a sua progressão natural na zona rural de Macon, no Alabama, onde viviam muitos afro-americanos. Nenhum dos envolvidos foi informado que tinha a doença, nem lhes foi dada penicilina, apesar de já ter sido aprovada como um antibiótico contra a sífilis.

O Museu Universitário de Tuskegee tem em exposição um cheque emitido pelo governo dos Estados Unidos para levar a cabo esta experiência.

3. Projeto MK Ultra

 

O MK Ultra foi um projeto coordenado através da Divisão de Inteligência Científica da CIA. Começou em 1950 e conduziu oficialmente experiências em 1953 com o objetivo de usar drogas para forçar os adversários a confessarem, bem como o de criar o “soro da verdade” perfeito para uso nos interrogatórios da Guerra Fria.

No entanto, os testes foram realizados sem a permissão dos indivíduos, aos quais foi dado LSD. Em 1973, os ficheiros MK Ultra foram destruídos, tornando impossível uma investigação completa.

4. Experiências nazis em gémeos

As experiências com humanos por parte dos nazis foram realizadas entre 1943 e 1944 em prisioneiros de Auschwitz porque o Dr. Josef Mengele planeou encontrar uma forma rápida de multiplicar a raça alemã. O seu objetivo era explorar opções com gémeos. Assim, estas explorações incluíram infeções com doenças desconhecidas, transfusões de sangue de um gémeo para o outro, bem como amputação desnecessária de membros. Mil pares de gémeos foram submetidos a esta experiência, sendo que apenas 200 deles sobreviveram, e os restantes, quando não foram úteis, foram erradicados com uma injeção de clorofórmio diretamente no coração.

5. Campo 22, Coreia do Norte

O Campo 22 da Coreia do Norte, localizado em Hoeryong, região de Hamgyong, foi fundado por volta de 1965 para realizar uma experiência com 50 mulheres, a quem foi pedido que comessem couve envenenada para realizar testes com venenos mortais. Algumas destas mulheres ouviram os gritos de outras que já tinham comido a couve. No entanto, também foram obrigadas a fazê-lo. Todos eles morreram após 20 minutos após terem sofrido de vómitos sangrentos e hemorragias anais.