Cientista por detrás da vacina da Pfizer diz que a vacina contra o cancro pode ser a próxima

 

A cientista por detrás da inovadora vacina contra a Covid-19 declarou que o seu próximo alvo é criar uma vacina anti-cancro. E se as coisas correrem como planeado, poderá estar disponível no mercado “dentro de alguns anos”.

Ozlem Tureci, que é uma das cofundadoras da empresa alemã de biotecnologia BioNTech, partilhou que ela e o seu marido estavam a trabalhar no sentido de reforçar o sistema imunitário contra tumores quando o coronavírus começou a espalhar-se na China.

Enquanto tomavam o pequeno-almoço, o casal tomou a decisão de utilizar a tecnologia que tinham estado a estudar para combater a nova doença. Entraram imediatamente em ação e 11 meses mais tarde, a sua vacina Pfizer-BioNTech Covid-19 foi autorizada.

“Vale a pena tomar decisões ousadas e confiar que se tiveres uma equipa extraordinária, vais ser capaz de resolver qualquer problema e obstáculo que surja no teu caminho em tempo real”, disse Tureci.

 

Segundo Tureci, eles têm “várias vacinas diferentes contra o cancro baseadas no mRNA” e em breve irão concentrar-se nisso. Embora não tenha conseguido determinar exatamente quando é que este tipo de vacina chegará ao mercado, está otimista de que será mais cedo do que o previsto.

Como ela declarou:

“Esperamos que dentro de apenas alguns anos tenhamos também as nossas vacinas (contra) o cancro, num local onde as possamos oferecer às pessoas”.

Neste momento, Tureci e o seu marido Ugur Sahin estão a dar o seu melhor para assegurar a entrega de vacinas contra a Covid-19 a diferentes países e que as vacinas serão eficazes contra as novas mutações do vírus.

Tureci e Sahin foram recentemente premiados pelo Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier, que lhes disse:

“Começou com um medicamento para tratar o cancro num único indivíduo. E hoje temos uma vacina para toda a humanidade”.

Tureci, contudo, foi rápida em salientar que o sucesso da vacina foi ” um esforço de muitos”.

“A nossa equipa na BioNTech, todos os parceiros que estiveram envolvidos, também governos, autoridades reguladoras, que trabalharam em conjunto com um sentido de urgência”, acrescentou. “A nosso ver, isto é um reconhecimento deste esforço e também uma celebração da ciência”.