Cientistas querem enviar 6,7 milhões de amostras de esperma para a Lua

 

Os cientistas sugeriram o envio de 6,7 milhões de amostras de esperma para a lua como “apólice de seguro global moderna” para proteger a humanidade contra eventuais catástrofes mundiais.

Uma equipa de seis investigadores da Universidade do Arizona apresentou a sua ideia na Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) Aerospace Conference, que decorre anualmente, com o autor do estudo Jekan Thanga a explicar que “a Terra é naturalmente um ambiente volátil”.

Os humanos já sofreram desastres naturais, incluindo tsunamis, terramotos e tornados, e o planeta irá sem dúvida enfrentar muitos mais no futuro, juntamente com os riscos de seca, asteróides e até potenciais guerras nucleares.

Tendo em conta todas estas situações potencialmente fatais, a equipa propôs que os humanos estabelecessem uma “arca” que se deitaria sob a superfície da lua e conteria células reprodutivas, incluindo esperma, ovos, esporos e sementes, de 6,7 milhões de espécies da Terra para ajudar a preservar a vida tal como a conhecemos nos dias de hoje.

Os cientistas salientaram que os seres humanos têm de se concentrar nas viagens espaciais para proteger a humanidade, com Thanga a assinalar que um repositório terrestre deixaria os espécimes vulneráveis a catástrofes.

 

A investigação propôs a fundação de um “cofre de sementes” humano na Lua o mais cedo possível, em “fossos” lunares recentemente descobertos. Thanga disse que estes fossos “fornecem abrigo à superfície da lua” e que suportam “grandes oscilações de temperatura, bem como ameaças de meteoritos e radiação”, de acordo com o New York Post.

Assim, esta “arca” preservaria de forma criogénica várias espécies em caso de uma catástrofe a nível globa.

Thanga disse: “Ainda podemos salvá-las até que a tecnologia avance para depois possamos reintroduzir estas espécies – o que por outras palavras se resume a salvá-las para outro dia, podemos dizer assim”.

A recomendação para a arca vem na medida em que muitas plantas e animais estão “seriamente ameaçados”. É um conceito semelhante ao do Svalbard Global Seed Vault, que está localizado no Círculo Ártico e contém mais de 992.000 amostras únicas de sementes de plantas.

Muito curioso.