Conhece o “fungo preto” e descobre porque é que está a causar tanto alarmismo

 

Uma das muitas coisas que aprendemos com a pandemia do coronavírus é que os nossos corpos são mais frágeis do que pensávamos, e bem, parece que uma nova epidemia está a causar estragos na Índia.

A Índia continua a lutar contra a SARS-CoV-2, e agora, a esta catástrofe junta-se a mucormicose, conhecida como “infecção do fungo negro”, que é potencialmente fatal e ataca doentes que sofrem de alguma forma de imunodeficiência, tal como a causada pela COVID-19.

De acordo com os dados fornecidos pelo ministro da saúde indiano, Sadananda Gowda, 8.842 pacientes com mucormicose já foram detetados e os locais mais afetados são Gujarat e Maharastra, seguidos por Andhra Pradesh, Madhya Pradesh e Rajasthan.

Embora esta doença não seja contagiosa entre humanos, é causada pela exposição a bolores que podem ser encontrados no solo, plantas, frutas e vegetais em decomposição. Os médicos estão a considerar a infecção por fungos negros como uma complicação pós-COVID.

Em condições normais de saúde, temos um sistema imunitário que nos protege contra infeções. No entanto, a resposta imunitária dos doentes que recuperaram da COVID-19 foi diminuída tanto pela doença como pelo tratamento utilizado para a curar.

Os doentes COVID em unidades de cuidados intensivos são submetidos a oxigenoterapia, na qual são utilizados humidificadores e precisamente devido a esta sobre-exposição à humidade são mais propensos a contrair esta infeção por “fungos pretos”.

Os infetados com mucormicose apresentam dores intensas nos olhos e nariz, dores de cabeça, febre e tosse, dificuldades respiratórias, vómitos com sangue e estados mentais alterados. Os esporos atacam directamente os pulmões e os seios nasais e, de acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, têm uma taxa média de mortalidade de 54%.

 

O Dr. VP Pandey, do Hospital Governamental Yeshwantrao de Maharaja Yeshwantrao, disse:

“A infecção causada pelo fungo preto já se tornou um desafio maior do que a COVID-19. Se os doentes não receberem o tratamento adequado a tempo, a mortalidade pode ir até aos 94%. O tratamento é caro e não temos medicamentos suficientes”.

A doença é tratada com terapias antifúngicas e medicamentos antifúngicos intravenosos, mas em muitos casos também requer a remoção de tecido infetado, ou seja, perda de olhos ou da mandíbula superior.

As autoridades de Jammu e Caxemira já declararam esta infeção como uma epidemia e já foi registada a primeira morte de um doente infetado de 40 anos que tinha recuperado de COVID-19.

Este quadro sombrio e crítico só se agrava à medida que mais quatro casos de infeção por fungos brancos, semelhantes à mucormicose, mas que afetam órgãos vitais como pulmões, rins, estômago, genitais e estômago, criando uma infeção generalizada, também têm sido relatados. Até agora, não houve relatos de mortes por este outro fungo.

É realmente uma situação alarmante que está a ser vivida na Índia, onde milhares de novos casos de COVID-19 ainda estão a ocorrer e agora esta nova epidemia de fungos negros está a complicar a atual crise sanitária que estão a atravessar.