De acordo com o “Relógio do Apocalipse”, estamos mais perto do que nunca do fim do mundo

 

Talvez não soubesses mas existe um Relógio do Apocalipse que foi criado em 1947 pela direcção do Bulletin of Atomic Scientists da Universidade de Chicago para alertar para os riscos da energia nuclear e das armas de destruição maciça que estavam a começar a atingir o seu auge nessa altura.

Não se trata de um objecto físico mas sim de um símbolo e assim, a ideia de um relógio foi pensada para mostrar a urgência que temos de inverter as condições perigosas em que nos encontramos desde então. Agora, com tudo o que estamos a viver, os riscos aumentaram, pelo que o relógio diminuiu o tempo para atingir a “hora marcada”.

O Relógio do Apocalipse tem como hora final as 12 e foram feitas algumas representações físicas quando se modifica o tempo restante para chegar a essa hora. Isto tem em conta factores como as armas nucleares e inclui agora outros factores como o aquecimento global e as novas tecnologias que nos podem fazer desaparecer do planeta.

Em 1947, o tempo estava a 7 minutos das 12 horas e em 1953, quando vários testes nucleares foram realizados pela então União Soviética e pelos Estados Unidos, passou para 2 minutos. Mas em 1991, com o fim da Guerra Fria e a assinatura de tratados de redução de armas nucleares, o relógio foi fixado em 17 minutos, o mais longo que alguma vez atingiu.

 

No entanto, os riscos e conflitos em várias partes do mundo continuaram a crescer, de modo que em 2015, os ponteiros marcavam apenas três minutos até ao fim e bem, as ameaças continuaram e em 2018 foi feito um novo ajustamento para ajustar os ponteiros do relógio para apenas 2 minutos, semelhante ao pior tempo em 1953.

Na altura, Jerry Brown, presidente do Bulletin of Atomic Scientists, comentou que os humanos estavam “a jogar à roleta russa”, o que a qualquer momento poderia correr mal e levar ao nosso extermínio.

A verdade é que a situação agravou-se em 2020, com a pandemia e tudo o resto que se arrastou, pelo que o relógio estava apenas a 100 segundos do fim. Agora com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia e a possibilidade do uso de armas nucleares, este tempo será certamente ainda mais curto.

Medo.