Descobriram uma nova espécie de aranha venenosa que pode viver durante décadas

O sonho de qualquer biólogo, veterinário ou cientista relacionado com o mundo animal é o de descobrir uma nova espécie. Quase uma década após a sua descoberta nos Estados Unidos, foi confirmado que esta aranha venenosa, semelhante à tarântula, é um aracnídeo nunca antes visto.

 

O primeiro espécime desta aranha com abdómen cinza prateado, membros pretos e um tamanho de quase 7 centímetros foi encontrado em 2012, na área florestal perto do jardim zoológico de Miami.

E certamente que assustou muito quem quer que o tenha encontrado.

Ao compará-la com outras aranhas e procurá-la em vários catálogos de aracnídeos, os veterinários e especialistas do jardim zoológico em questão perceberam que esta era única. Foi denominada a Aranha Trampa Pine Rockland, categorizada no género Ummidia Richmond, e até o ano de 2014, foi possível capturar outra criatura com as mesmas características desta.

Foi então que mais especialistas no assunto se envolveram, como a bióloga Rebecca Rebecca Godwin, da Universidade de Piemonte na Geórgia, e após um longo estudo taxonómico das aranhas Ummidia, foi determinado que as encontradas em Miami são uma nova espécie.

As aranhas armadilha são venenosas, semelhantes às tarântulas, e caracterizam-se por fazerem uma rede de tocas nas quais caem as suas vítimas. Estudos revelaram também que a fêmea pode viver mais de 20 anos. Estes aracnídeos não se espalham normalmente por grandes territórios, pelo que a descoberta de uma nova aranha é uma grande surpresa.

O responsável pela conservação do zoo em Miami, Dr. Frank Ridgey, confirmou que o veneno da aranha tem uma potência semelhante à de uma picada de abelha em humanos, mas é suficiente para presas como pequenos invertebrados.

A parte desagradável desta descoberta não é que haja outra aranha nova para os pesadelos dos aracnófobos, mas sim que o habitat natural do Pine Rockland esteja a ser destruído e uma vez que não foram encontrados muitos espécimes, acredita-se que a mesma já se encontre em vias de extinção.

Não deixa de ser muito curioso.