Eis a razão pela qual os nadadores olímpicos têm círculos escuros no seu corpo

Uma antiga prática chinesa conhecida pelos seus alegados benefícios médicos é a razão por detrás de uma estranha tendência nos Jogos Olímpicos de Tóquio, depois de vários atletas terem sido vistos com vergões escuros e de formato circular em todo o seu corpo.

 

Muitos questionaram se os atletas têm feito sessões de paintball durante a noite mas nada disso: trata-se de um procedimento chamado cupping.

A prática implica colocar copos de vidro quentes no corpo, que são tão quentes que selam à volta da pele e provocam uma espécie de vácuo. Esta pressão no interior do copo suga a pele e alegadamente ajuda a promover o fluxo sanguíneo e a libertar a tensão.

O método tem sido utilizado durante séculos na China e foi popularizado nos Jogos Olímpicos do Rio, quando Michael Phelps admitiu utilizar a técnica. O campeão australiano de natação Kyle Chalmers foi visto nos blocos de partida em Tóquio 2020 com exatamente as mesmas marcas nas costas e nos ombros. O atleta tem estado a recuperar de uma cirurgia ao ombro no final do ano passado e poderá ter recorrido a cupping para gerir a sua dor.

O nadador japonês Akira Namba também foi visto com essas marcas, juntamente com vários outros nadadores e até ginastas. As pessoas que têm visto os Jogos Olímpicos em casa têm certamente notado nesta tendência, e nas redes sociais, muitas dessas pessoas falaram do assunto:

Conhecia esta técnica?