Eis como está Wuhan hoje: no epicentro da COVID-19, já se dão festas com grandes multidões

 

Foi há quase nove meses, em dezembro de 2019, que foram identificados os primeiros casos de COVID-19 na cidade de Wuhan, capital da província de Hubei, na China.

Esta cidade ficou denominada como o epicentro da pandemia e pelo menos 11 milhões de habitantes foram obrigados a passar por um confinamento de 76 dias, até que o contágio do coronavirus fosse controlado minimamente.

A China conseguiu controlar a pandemia e agora, conta com poucas dezenas de novos casos diários, de acordo com os últimos dados oficiais. Enquanto que alguns países do continente americano continuam a combater a pandemia, em Wuhan o pior já passou e os seus habitantes retomaram a normalidade que conheciam, incluindo concertos e festas com grandes multidões.

 

Na cidade, o confinamento foi levantado no princípio do mês de abril e desde então, os habitantes procuram viver uma vida mais normal, e com isso surgem as festas e os concertos de música electrónica, onde milhares de pessoas nas ruas juntam-se sem protecção alguma.

A região de Hubei não teve novos casos desde maio e as suas autoridades oferecem entradas gratuitas para 400 lugares turísticos.

Surgiram recentemente umas imagens onde podemos ver recintos de festa a abarrotar por Wuhan, sendo que o próprio governo está empenhado em impulsionar vários eventos para promover o turismo.

Nas redes sociais, muitas têm sido as pessoas a criticar o que se tem passado em Wuhan, apontando o dedo aos habitantes por uma “enorme falta de responsabilidade”.

E de pensar que há uns meses estava tudo muito diferente por lá…