Enfermeira estava em coma devido à COVID-19 e acordou 72 horas antes de lhe desligarem as máquinas quando lhe administraram Viagra

 

Mesmo tendo passado dois anos desde que a COVID-19 chegou ao nosso planeta, pouco se sabe sobre tratamentos que possam ser eficazes no tratamento daqueles com sintomas graves da doença.

Mónica Almeida, de 37 anos de idade , uma enfermeira no Reino Unido, estava em coma e os médicos estavam prestes a desconectá-la do ventilador que a mantinha viva quando se depararam com uma última tentativa, que felizmente funcionou.

O estado de Mónica não estava a melhorar e os médicos deram-lhe 72 horas para lhe desligarem o ventilador. Antes do prazo ser atingido, decidiram fazer uma última tentativa e tentar dar-lhe Viagra, a droga usada para a impotência sexual.

Após este procedimento, os níveis de oxigénio da mulher melhoraram acentuadamente e após uma semana o ventilador já não era necessário e ela teve alta e conseguiu ir ter com o seu marido e dois filhos para celebrar o Natal.

 

Mónica trabalha no Lincolnshire Hospital, próxima da ala da COVID -19, e em outubro de 2021 acabou por ficar infectada. No quarto dia do seu diagnóstico, ela estava a tossir sangue e tinha perdido o olfacto e o paladar.

No quinto dia, a sua capacidade respiratória diminuiu consideravelmente, mas foi mandada para casa com a sua receita médica. Duas horas mais tarde já não conseguia respirar, pelo que foi levada à pressa para o Hospital do Condado de Lincoln, onde foi imediatamente internada na sala de reanimação.

A enfermeira estava prestes a passar um mês de coma, por isso o uso do Viagra foi a sua última oportunidade. O famoso comprimido azul dilata os vasos sanguíneos e isto faz com que as vias respiratórias “se abram”, pelo que já está a ser considerada para utilização como um tratamento estabelecido.

Felizmente, ela conseguiu sobreviver e continua a sua recuperação em casa, onde enviou uma mensagem às pessoas para se vacinarem porque se não o tivessem feito, ela estaria morta.

Ela também reconhece que “foi o Viagra que a salvou”.