Especialista em Call of Duty viajou para a Ucrânia para se juntar ao exército como voluntário

 

Para aqueles que acreditam que passar demasiado tempo a jogar videojogos é pouco produtivo, já sabemos que há jogadores profissionais que ganham milhares de dólares em competições ou com os seus vídeos. No entanto, há casos em que a realidade é confundida com ficção o que pode causar um conflito… na vida real.

“Jamie” é um jovem de 19 anos que decidiu viajar da sua casa no Reino Unido para a Ucrânia, porque como é um perito em jogos de guerra, acredita que pode contribuir com os seus conhecimentos para o campo de batalha, embora, claro, a diferença é que, neste caso, as balas são reais.

De acordo com a mãe deste jovem, cujo nome real permaneceu anónimo, o seu filho não tem treino militar e nunca esteve num campo de combate, mas através de fóruns online de jogadores, onde ganhou alguma popularidade, foi encorajado a ir para a Ucrânia.

Vale a pena notar que ele também não fala ucraniano ou polaco, que são as línguas mais comuns na região, o que também constitui um problema. No entanto, tendo passado tanto tempo a jogar jogos de guerra, especialmente Call of Duty, o rapaz pensou que isso seria “treino” suficiente para oferecer os seus serviços na guerra contra a Rússia.

 

Ele soube todas as informações necessárias através da internet e inscreveu-se como voluntário para o exército ucraniano, onde deverá servir durante dois anos. Viajou imediatamente para a Polónia e, embora ainda seja muito jovem, parece que não teve problemas em entrar em território ucraniano e juntar-se às forças armadas.

A mãe ficou muito surpreendida porque quando verificou o seu computador, encontrou o email no qual tinha pedido informações e no espaço de 36 horas já estava na Ucrânia, sem qualquer experiência.

Para além disso, nunca tinha saído do seu país e não tinha viajado sem a companhia da sua família, mas pagou 50 dólares e viajou de Manchester para Varsóvia, na Polónia.

Depois da mãe dele não ter tido notícias dele durante 24 horas, o rapaz enviou-lhe uma mensagem a dizer que se tinha alistado como voluntário para ir para a guerra na Ucrânia e que já se encontrava por lá. O localizador do seu telefone deixou de funcionar e a sua última localização foi em Lviv, uma cidade ucraniana.

Segundo a sua mãe, isto não deveria ter acontecido porque o seu filho ainda é muito imaturo e foi uma decisão completamente absurda. Para além disso, o exército ucraniano deveria ter mais controlo para não aceitar este tipo de jovens nas suas fileiras.

Por enquanto, a sua família pediu o apoio de várias autoridades para os ajudar a localizá-lo e, pelo menos, saber se ele está bem.