Este vírus pode ser o responsável pela próxima pandemia e é muito mais letal do que o coronavírus

 

Há mais de um ano que a vida de toda a gente foi afetada pela COVID-19, a pandemia que já tirou a vida de 2,69 milhões de pessoas em todo o mundo. Graças à vacina, já conseguimos ver a luz ao fundo do túnel, no entanto, novas doenças que poderiam causar a próxima crise de saúde global já estão na mira.

Desta lista de doenças, os cientistas estão preocupados com o vírus Nipah, que em 2018 teve um surto em Kerala, Índia, e matou 17 dos 19 infectados, o que significa que a sua taxa de mortalidade é de 89%.

Felizmente, nessa ocasião, a crise foi rapidamente ultrapassada e foram enviados peritos para controlá-lo e para estabelecer protocolos, impedindo a propagação do mesmo. Embora ele esteja agora sob controlo, existe um grande risco de outro surto se propagar por todo o mundo.

O vírus Nipah é propício a regiões tropicais com uma biodiversidade abundante, o que é um foco muito vasto, pois pode afetar um grande número de seres vivos e, quando relacionado com mais agentes patogénicos, pode causar até um novo vírus.

Uma vez mais, o morcego está na mira das comunidades científicas porque, como demonstraram com o coronavírus, este pequeno animal alberga uma série de agentes patogénicos, incluindo Nipah, e os comedores de fruta são o seu hospedeiro natural.

Supaporrn Wacharapluesadee, o diretor do Centro Tailandês da Cruz Vermelha para as Ciências da Saúde e Doenças Infecciosas Emergentes, está preocupado com a forma como esta doença, que é tão nova que ainda não existe vacina para a controlar, funciona.

 

Um dos principais perigos que poderia causar este vírus a transmitir para os seres humanos é o crescimento excessivo de populações que permitem um maior contacto entre pessoas e animais selvagens, especialmente nas regiões tropicais.

Ao contrário dos vírus conhecidos, os peritos de saúde estão preocupados com Nipah porque o consideram realmente sinistro. O seu período de incubação é muito longo e pode durar até 45 dias, um período que permite ao animal ou pessoa infetada espalhar o vírus sem o conhecimento da doença. Para além disso, o mesmo é espalhado por contacto direto ou pelo consumo de alimentos contaminados.

Tudo isto juntamente com a elevada taxa de mortalidade fez com que tanto o Wacharapluesadee como a Organização Mundial de Saúde (OMS) se preocupem com o vírus. Todos os anos, a OMS revê uma lista de patogénicos candidatos a desencadear uma crise de saúde global, com o intuito de decidir como gerir os seus recursos, dando prioridade à investigação sobre os vírus mais perigosos.

No que toca a sintomas do Nipah, foram detetados sintomas alguns: desde tosse, dor de garganta e dores no corpo, fadiga e até encefalite, uma inflamação letal do cérebro.

Este vírus pode ser a nova pandemia global e, infelizmente, o risco de isso acontecer está a aumentar devido à desflorestação e intensificação da urbanização e da agricultura, uma vez que cada vez mais humanos estão em contacto direto com animais que podem transmitir este agente patogénico.

Estas condições são muito comuns em regiões da Ásia e do Pacífico, onde se verifica um fenómeno crescente de urbanização. De acordo com o Banco Mundial, quase 200 milhões de pessoas mudaram-se para áreas urbanas no período de 2000 a 2010.

Esperemos não ouvir falar mais no Nipah.