Estranha condição de saúde faz com que urina de mulher se transforme em álcool

 

Há muitas doenças que podem passar despercebidas e muitas que podiam até ser consideradas como um mito. Mas o caso que te apresentamos de seguida é algo capaz de surpreender a todos, uma vez que se trata de uma mulher de 61 anos cujo fígado, para seu infortúnio, é capaz de produzir álcool por si só.

Os especialistas do Hospital Presbiteriano do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh publicaram um estudo no Annals of Internal Medicine em que salientam que se trata da síndrome da auto-cerveja, uma condição médica anteriormente não reconhecida em que o sistema urinário produz etanol através da fermentação endógena.

Quando ela foi a uma consulta médica, os médicos observaram que o fígado da paciente estava danificado devido a diabetes mal controlada, por isso encomendaram imediatamente testes de urina e colocaram-na na lista de espera para um transplante de órgãos.

Embora a mulher tenha assegurado com firmeza que não consumia álcool, os resultados dos testes de urina mostraram quantidades consideráveis de álcool, razão pela qual os especialistas pensavam que ela lhes estava a esconder um distúrbio alcoólico.

No final deduziu-se que a senhora não estava a enganar ninguém, simplesmente que o seu fígado estava a funcionar de uma forma muito diferente da de uma pessoa saudável ou de uma pessoa com diabetes.

Era muito óbvio que algo de estranho se passava com a mulher, uma vez que a paciente não mostrou sinais de intoxicação alcoólica e garantiu com toda a certeza que não consumia bebidas alcoólicas, pelo que os especialistas analisaram mais de perto os testes que foram enviados para fazer.

 

Por esta razão, concluiu-se que a mulher de 61 anos de idade sofria de síndrome de auto-cerveja, que provoca a ingestão de hidratos de carbono para intoxicar a pessoa sem a necessidade de beber uma única gota de álcool.

No entanto, os médicos encontraram algo que chamou fortemente a sua atenção, pois encontraram a existência de glucosúria, o que significa que existiam grandes quantidades de glucose na sua urina que, por sua vez, se liga a quantidades muito elevadas de levedura no processo de fermentação, o que é algo verdadeiramente raro mesmo com a invulgaridade da própria condição.

A paciente tinha sido tratada com antifúngicos, mas não estavam a funcionar, pelo que os médicos se aperceberam de que se tratava de um caso muito, muito singular.

Atualmente, não há muito conhecimento sobre o que lhe aconteceu, mas os médicos dizem que poderá haver muitos mais casos que não foram documentados e que lançaram um apelo exortando a não negligenciar quaisquer detalhes dos pacientes.

Fazias ideia?