Filho que matou o pai abusivo para salvar a sua mãe enfrenta 20 anos de prisão

 

Um adolescente que matou o seu pai abusivo para salvar a sua mãe de outro surto violento foi sentenciado a 20 anos de prisão depois de ter sido acusado de homicídio.

O brilhante estudante Alex Pompa, que tem agora 18 anos, admitiu ter morto o seu pai Giuseppe Pompa, de 52 anos, apunhalando-o 24 vezes com uma faca de cozinha na casa da família em Collegno, Itália, a 30 de abril de 2020.

Os investigadores responsáveis pelo caso descobriram que o abuso do pai tinha acontecido durante anos, alegando que ele era obsessivo e invejoso. Diz-se que ele telefonava por vezes centenas de vezes por dia à sua mulher para verificar o que ela estava a fazer.

A defesa de Alex tem mesmo 200 ficheiros áudio que mostram a raiva excessiva que o pai mostrou, por “razões triviais”, para provar o constante estado de terror a que a família estava sujeita.

Na noite do trágico crime, Alex e o seu irmão enviaram uma mensagem de texto ao seu tio a pedir ajuda, temendo que o seu pai se tornasse novamente violento.

A mensagem em questão dizia: “Você é o único que ouve. Terá de tomar medidas drásticas. Aqui todos nós estámos a arriscar as nossas vidas”.

Mas a mensagem não ajudou. Mais tarde nessa noite, o pai de Alex acabou por lançar outro ataque contra a sua mulher. Consta-se que ele afirmava ter visto um dos seus colegas de trabalho colocar a mão no ombro dela.

 

Ele continuou a manipulá-la, atirando-lhe até um telefone à cara, antes da intervenção de Alex.

O rapaz da escola, que tinha 17 anos na altura do incidente, pegou numa faca da cozinha e esfaqueou repetidamente o seu pai até à sua morte.

Alex chamou então a polícia local, entregando-se e admitindo o que tinha feito. No início, foi colocado em prisão domiciliária na casa onde o crime teve lugar, mas mais tarde foi considerado demasiado traumático pelos juízes.

Um amigo de Alex, da escola, ofereceu-se para o deixar ficar em sua casa enquanto se encontrava em prisão domiciliária.

Enquanto lá esteve, Alex conseguiu fazer os seus exames finais, passando com distinção, com uma classificação de 87/100.

Até se inscreveu na universidade e recebeu um telefonema de felicitações de Lucia Azzolina, a Ministra da Educação Pública na altura. Mas agora Alex, que nunca negou o assassinato, vai a julgamento depois de os procuradores confirmarem que estavam a avançar com os procedimentos legais.

A acusação que irá enfrentar no Tribunal de Assis é de homicídio voluntário, com a circunstância agravante de ter agido contra um membro da família.

A investigação foi formalmente encerrada através de um relatório entregue aos procuradores, que decidiram apresentar queixa. A defesa tem 20 dias para interpor o seu recurso. Mesmo com possíveis circunstâncias atenuantes, o jovem ainda enfrenta mais de 20 anos de prisão.