Homem mete as pernas debaixo de um comboio para reclamar quase 3 milhões de euros do seguro

 

Um homem foi condenado esta semana por ter “cortado as próprias pernas ao colocá-las debaixo de um comboio” numa tentativa de reclamar um pagamento de seguro no valor de 2.85 milhões de euros.

O tribunal descobriu que o homem, oriundo de Nyircsaszari, na Hungria, tinha contraído 14 apólices de seguro de vida de alto risco no ano anterior ao incidente.

Mas o homem, cuja identidade permanece anónima devido às leis locais de privacidade, reclamou a sua inocência.

O homem insistiu que tinha pisado um pedaço de vidro e caído em frente ao comboio em movimento, num incidente que ocorreu em 2014.

Ele explicou: “Acho a decisão muito peculiar. Naturalmente, não é o que eu esperava. Estou desiludido. “Preciso de levar isto até ao fim porque, tal como está, não faz jus ao que se passou, e o tribunal deve sentir o mesmo”.

 

O homem de 54 anos de idade afirmou também ter recebido aconselhamento financeiro encorajando-o a retirar as apólices. De acordo com o seu conselheiro, as apólices de seguros obtêm melhores retornos nas contas poupança, mas os retornos negativos para ele incluirão um pagamento elevado, potencial tempo de prisão e bem… dois membros perdidos.

As pernas dele foram amputadas depois do trágico acidente com o comboio há 7 anos. Desde então, ele tem usado próteses e uma cadeira de rodas e afirma que as contas médicas e as taxas legais o levaram à falência.

Se o tribunal o considerar culpado, ele pode ter uma pena de prisão suspensa de dois anos e uma multa de cerca de 5 mil euros para cobrir os custos legais do processo.