Homem passou 22 anos na prisão por crime que não cometeu

 

Foi no ano de 1995 que Darryl Howard foi condenado a 80 anos de prisão, acusado de agressão sexual e de ter depois assassinado Doris Washington, de 29 anos, e a sua filha de 13 anos.

No entanto, apesar das acusações, o homem disse sempre que estava inocente. Após 22 anos de prisão, o seu caso foi reaberto e eles perceberam que ele não era realmente responsável pelos dois assassinatos e foi libertado, com o clássico “pedimos desculpa”.

Para além dos dois assassinatos, foi acusado de fogo posto, pelo qual a sentença foi tão severa. Quando ouviu a sua sentença, sentiu que a sua vida estava a acabar e de forma injusta, pois sabia que não era ele o culpado, mas as supostas provas apresentadas pela acusação apontavam Darryl como o responsável.

Desde 2009, os advogados do Projecto Inocência, responsáveis por retomar casos em que existem dúvidas ou erros no processo, têm vindo a analisar o que aconteceu com Darryl, porque durante a investigação do caso, as pistas de outros suspeitos que apareceram nas notas policiais não foram seguidas e os testes de ADN não foram feitos, o que eles consideraram como inconsistências no seu caso.

 

Nessa altura, Darryl já tinha passado 14 anos na prisão e estava perfeitamente mentalizado que tinha perdido toda a esperança em sair. Disse também que até membros da sua família o consideravam culpado, pelo que a perspectiva parecia muito sombria, mas os advogados ainda estavam a fazer o seu trabalho, o que compreensivelmente não foi fácil nem rápido, dada a seriedade das alegações.

Amelia Green foi a sua advogada nesta ocasião e conseguiu que o caso fosse reaberto. Para além disso, um novo juiz examinou a questão e concordou que o procurador na altura omitiu provas, pelo que em 2016 ordenou a libertação de Darryl, reconhecendo que tinham cometido um erro e que ele passou na realidade 22 anos na prisão como pessoa inocente, algo que infelizmente já aconteceu em muitas ocasiões:

“Eu, Roy Cooper, Governador do Estado da Carolina do Norte… em virtude do poder e autoridade que me é conferido pela Constituição do Estado, perdoo Darryl Anthony Howard, sendo um perdão de inocência”.

Com este perdão, o Estado reconhece que estava errado e Darryl será agora elegível para uma compensação de 75 mil dólares por cada ano em que esteve preso, pelo qual pode receber até 1.650.000 dólares.

Para além disso, abrirá a porta a outros casos semelhantes a serem analisados, especialmente na comunidade afro-americana, na esperança de que várias pessoas inocentes possam sair em liberdade.