Homem perde o melhor emprego da sua vida devido a uma fotografia tirada do contexto: a era da “cancel culture”

 

As oportunidades de aceder a um melhor emprego não chegam todos os dias e nos dias que correm, em que todos estamos conectados às redes sociais, qualquer comentário menos feliz, ou até um simples meme, pode fazer com que sejas “cancelado”.

Com 47 anos de idade, Emmanuel Cafferty havia conseguido o melhor emprego da sua vida inteira, inspeccionando as instalações subterrâneas de gás e electricidade na cidade de San Diego, na Califórnia: uma grande oportunidade para um filho de imigrantes.

Enquanto regressava a casa depois de um longo dia de trabalho e de altas temperaturas, ele vinha na carrinha da empresa com os vidros baixados e com o braço de fora da janela, para sentir o ar fresco. Com dois dedos, realizava um movimento rítmico e inconsciente, como acontece muitas vezes quanto ouvimos uma música enquanto conduzimos.

Pois bem, alguém tirou uma fotografia justamente no momento em que os seus dedos estavam na posição que vais ver de seguida e colocou a mesma fotografia no Twitter. O símbolo em questão é o adoptado pelos supremacistas brancos dos Estados Unidos e como podem imaginar, para as pessoas aquela fotografia foi vista como um insulto daqueles.

Confere:

 

Como na fotografia se vê o logótipo da empresa, quem partilhou a fotografia identificou a empresa na rede social e duas horas depois, Emmanuel já era viral, sendo que muita gente o insultou e julgou sem saber realmente o que se passava.

No mesmo dia, quando estava em casa, recebeu uma chamada do seu supervisor, que o acusou de racismo nas redes sociais. Com isto, suspendeu-o sem ordem de vencimento. Como se isto não bastasse, uma hora mais tarde, apareceram dois colegas dele para levar a carrinha de casa dele e o computador da empresa que lhe tinham dado.

Cinco dias depois, despediram-no, o que foi um duro golpe para ele, já que pensava que finalmente a sua situação estava a melhorar…

Emmanuel é filho de imigrantes mexicanos, sem estudos universitários, e estava num emprego onde conseguia fazer 41 dólares por hora, sendo que no seu emprego anterior ganhava metade.

Ele esteve seis meses neste emprego até tudo isto ter acontecido: até hoje, ele insiste que não pretendia de todo fazer aquele símbolo e mais, disse até que colocar os dedos naquela posição específica tinha o significado de um insulto racista.

A pessoa que fez o upload da fotografia reconhece que talvez tenha exagerado e apagou a publicação mas o mal já estava feito, porque Emmanuel foi despedido e “cancelado” através das redes sociais.

Que situação…