Homens estão banidos de uma floresta sagrada exclusivamente para mulheres

Uma floresta sagrada “só de mulheres” na Papua, Indonésia, e os homens são multados se tentarem entrar.

 

A floresta, localizada em Jayapura, tem sido um lugar especial para gerações de mulheres, que lá se reuniram para recolher amêijoas e partilhar histórias.

Os homens são banidos da área, e os intrusos enfrentam multas de até um milhão de rupias ($69/£50) – uma quantia que é normalmente paga em pedras polidas.

No documentário, a aldeã Adriana Meraudje disse: “Esta tem sido sempre uma floresta exclusivamente feminina. Muito antes de eu nascer, ela já existia. Esteve sempre aqui, com as mesmas regras.”

“Para entrar na floresta das mulheres, é preciso estar nua. Não se pode usar roupa.”

“Se um homem sequer espreitar, será castigado – sancionado e multado. Levamo-los ao tribunal tribal.”

Outra aldeã, Ari Rumboyrusi, disse: “Quando a viagem é curta, vamos todos juntos. Convidamos os nossos amigos e entramos na floresta de barco.”

“Quando estamos na floresta, somos livres, não há homens por perto.”

“Somos apenas nós mulheres, por isso partilhamos livremente histórias com as mais velhas. Mergulhamos os nossos corpos no mar, sentindo o nosso caminho através da lama para as amêijoas.”

As mulheres vendem então as amêijoas da floresta em mercados próximos.

Meraudje acrescentou: “A floresta das mulheres é um lugar muito importante para nós na nossa baía. Não podemos viver sem esta floresta.”

“Continuaremos a vir todos os dias e a procurar amêijoas. Aqui as mulheres confiam umas nas outras.”

A floresta de oito hectares pode ser encontrada na parte oriental de Kempung Enggros, o mais antigo kampung de Jayapura.

Nos últimos anos, as mulheres têm enfrentado desafios crescentes com o lixo proveniente das cidades vizinhas.

Origenes Meraudje, líder de Enggros Kampung, disse: “Hoje em dia encontramos mais plástico do que amêijoas. Estamos tão tristes.”

Ela acrescentou: “Antigamente, precisávamos apenas de meio dia para encher o nosso barco. Mas hoje em dia, trabalhamos o dia inteiro mas mal conseguimos encher metade do barco.”

Maria Meraudje acrescentou: “Sentimo-nos à vontade para fazer tudo o que quisermos. Somos mais felizes quando estamos nas florestas.”

“Os homens que ouvem as nossas vozes sabem e vão para mais longe das florestas.”