Juiz ordena pais a pagarem ao filho cerca de 25 mil euros por terem destruído a sua coleção de p*rnografia

 

Foi em Grand Haven, no Michigan, que um juiz ordenou a um casal que pagasse cerca de 25 mil euros ao seu filho por se terem livrado da sua coleção de p*rnografia.

A decisão do Juiz Distrital dos Estados Unidos Paul Maloney esta semana surgiu oito meses depois de David Werking, 43 anos, ter ganho uma ação judicial contra os seus pais.

Maloney decidiu em dezembro que os pais de Werking não tinham o direito de deitar fora a coleção de filmes, revistas e outros artigos do seu filho. Werking tinha vivido na sua casa em Grand Haven, Michigan, durante 10 meses após um divórcio, antes de se mudar para Muncie, em Indiana.

Werking estimou anteriormente que a sua coleção valia cerca de 20 mil euros, de acordo com o que reportou o The Holland Sentinel. De acordo com e-mails entre Werking e o seu pai, a coleção incluía 1.605 títulos individuais de DVDs e cassetes VHS.

 

Os pais de Werking não estavam dispostos a transportar a coleção para o seu filho em Muncie, e não se sentiam à vontade para ter os artigos em sua casa, de acordo com a mesma fonte.

Depois de se mudar para Indiana, Werking soube que os seus bens estavam desaparecidos. Maloney, em dezembro, disse: “Não há dúvida de que os bens em falta eram propriedade de David. Os arguidos admitiram repetidamente que tinham destruído a propriedade”, confirmou o juiz.

Os pais de Werking disseram anteriormente que tinham o direito de agir como seus senhorios. O juiz seguiu o valor estabelecido por um perito, informou o MLive.com. Os pais de Werking também devem pagar cerca 14.500 dólares ao advogado do seu filho.

O que dizer?