Juíza apanhada a beijar o assassino de um polícia cuja sentença ela estava a tentar reduzir

 

Uma juíza argentina está actualmente a ser investigada depois de ter sido alegadamente apanhada a beijar um recluso que foi condenado por assassinar um agente da autoridade.

A juíza em questão, Mariel Suárez, tinha também feito parte de um painel de jurados onde tinha argumentado que Cristian Mai Bustos devia receber uma pena reduzida em vez de prisão perpétua.

Suárez, no entanto, nega estas alegações e insiste que só estava a fazer perguntas a Bustos para um livro que está a escrever. O alegado incidente ocorreu no Instituto Penitenciário Provincial de Trelew, onde a juíza foi vista pela primeira vez nas câmaras a beber uma bebida antes do suposto beijo.

 

Um tribunal, cuja equipa de sentença incluía Suárez, entregou a Bustos um mandato de prisão perpétua no dia 22 de dezembro pelo assassinato do polícia ‘Tito’ Roberts na aldeia de Corcovado em 2009.

O momento visto neste vídeo teve lugar a 29 de dezembro, apenas uma semana após a sentença de prisão perpétua. Sobre o incidente, Suárez dirigiu-se ao site de notícias argentino Todo Noticias e negou que algo de pouco profissional tivesse ocorrido.

Ela declarou: “Estávamos a falar e sentimos que estávamos a ser ouvidos. Eram conversas secretas e havia pessoas a andar por perto e uma câmara fotográfica e foi por isso que falámos de perto”.

Ela acrescentou então: “Não tenho qualquer relação sentimental com esta pessoa. Estou a escrever um livro sobre ele. A nossa relação é uma relação de trabalho”.

O que dizer?