Marinheiro que foi obrigado a viver 4 anos num barco fantasma é finalmente libertado

Um pouco por todo o lado existem histórias que não teriam ocorrido nem ao melhor argumentista, e que são capazes de nos deixar de boca aberta com surpresa, como o caso de Mohammed Aisha, um marinheiro sírio que foi forçado a viver num navio fantasma durante 4 anos, até que finalmente pôde ser libertado e regressar a casa. Eis o que aconteceu.

 

Este homem navegava na embarcação MV Aman, até ser detido no porto de Adabiya, Egipto, por não possuir os actuais certificados de segurança, pelo que a partir de 5 de maio de 2017 foi impedido de continuar a sua viagem. Os empreiteiros não podiam pagar o combustível, os proprietários não tinham dinheiro e Mohammed foi declarado “guardião legal” do navio, pelo que teve de permanecer a bordo enquanto o resto da tripulação partia.

Não demorou muito até ele estar por sua conta. Para além disso, o navio não tinha electricidade, pelo que as noites eram de completa escuridão e silêncio, sendo que o marinheiro admitiu que várias vezes pensou em tirar a sua própria vida. Foi também nessa altura que ele recebeu a notícia de que a sua mãe tinha morrido e nem sequer podia ir ao seu funeral. Em geral, era como estar num navio fantasma.

À distância ele via outros barcos a passar e certo dia, tentou comunicar por telefone com os seus familiares, mas isso não foi suficiente para aliviar a solidão que sentia, até que em março do ano passado uma tempestade fez com que o barco se deslocasse a cerca de cinco milhas da costa, pelo que nadou para chegar a terra, obter comida e mantimentos, bem como voltar a ter contacto com outras pessoas. Desta forma, o fardo já não era tão pesado.

Os executivos da Tylos Shipping and Marine Services, proprietários do navio, disseram que fizeram tudo o que podiam para conseguir que um juiz retirasse a tutela legal deste marinheiro, mas não conseguiram e não encontraram ninguém que quisesse ocupar o seu lugar no navio, algo que é compreensível, porque não é um bom trabalho para ninguém, especialmente se for uma pessoa que odeia a solidão.

A partir de dezembro de 2020, a Federação Internacional dos Trabalhadores dos Transportes assumiu o seu caso e não só conseguiram que ele fosse autorizado a abandonar o navio, como o tomaram como bandeira para iniciar uma luta para que este tipo de abusos não voltasse a acontecer, porque 4 anos é demasiado tempo, embora pelo menos durante a pandemia ele tenha estado isolado e não corresse o risco de ser infetado.

Tudo isto poderia ter sido evitado se os proprietários do navio tivessem assumido a responsabilidade pela situação desde o início e facilitado a partida de Mohammed. No entanto, parece que este é um hábito das empresas, pois de acordo com a Federação Internacional dos Trabalhadores dos Transportes, existem atualmente 250 casos semelhantes que estão ativos. Para além disso, só em 2020, 85 marinheiros foram conhecidos por estarem abandonados num navio.

Felizmente, Mohammed já voou para casa e antes de embarcar disse que tudo isto é como se tivesse estado na prisão por um crime que não cometeu e agora pode finalmente reunir-se com a sua família após 4 longos anos em que esteve sozinho e tudo porque assumiu uma responsabilidade que não era sua.

Surreal.