Mulher que trabalhou nas Torres Gémeas no 11 de setembro faz revelação bombástica…

Uma mulher afirmou ter estado nas Torres Gémeas durante os ataques do 11 de Setembro e disse que algumas pessoas continuaram a trabalhar depois de os aviões terem atingido os edifícios.

 

Nena, oriunda do Bronx, em Nova Iorque, disse que estava a trabalhar no 84º. andar do 2 World Trade Center durante o devastador ataque terrorista ocorrido a 11 de setembro de 2001.

Nena tinha apenas 21 anos na altura e disse que 61 dos seus colegas morreram no atentado. Curiosamente, ela afirmou que algumas pessoas continuaram a trabalhar depois de a Torre Sul ter sido atingida, sendo o edifício o segundo a ser atingido e o primeiro a cair.

Refletindo sobre os trágicos acontecimentos na sua conta de TikTok – com o 20º. aniversário a menos de dois meses de distância – Nena disse:

“Perdemos 61 colegas de trabalho. A maioria deles estava a tentar ajudar toda a gente, a outra metade ainda estava a negociar, porque eu era corretora de obrigações. Eles ainda estavam a negociar e sabem, por vezes o dinheiro vem primeiro. Por isso, eles ficaram de pé e negociaram até perderem as suas vidas”.

“Por isso, perdemos 61 pessoas. A maioria dos seus corpos não foi recuperada, mas realizámos serviços memoriais para eles. E fazemos todos os anos, a cada 11 de setembro. Mais do que isso, eu não trabalho no dia 11 de setembro”.

Nena disse depois que muitas pessoas reavaliaram a forma como veem o dinheiro depois desse dia:

“Desde esse dia, vivo a minha vida para sentir que o dinheiro não é felicidade. O salário é bom, não me interpretem mal, mas no fim do dia o dinheiro não é o que traz a felicidade”.

“É o que se sente por dentro. Se nos sentirmos seguros, sentimo-nos bem. Eu poderia estar a ganhar 15 dólares por hora e viver uma vida feliz. Percebem o que quero dizer? Por isso mudou a perspetiva de muitas pessoas e muitas delas não voltaram ao trabalho e seguiram em frente”.

Tendo escapado da torre, Nena disse que teve de caminhar durante 8 horas para dizer à sua família que estava a salvo.

Assustador.