Mulheres no Afeganistão não podem andar mais de 72 kms sem a companhia de um homem

 

Desde que o movimento talibã tomou o controlo da capital do Afeganistão, Cabul, e portanto das rédeas do país, afegãos e estrangeiros temem pela sua segurança. Mais do que isso, a segurança e liberdade das mulheres encontra-se muito ameaçada.

As mulheres no Afeganistão estão aterrorizadas com as novas regras impostas pelo movimento talibã. Sadeq Akif Muhajir, o porta-voz do Ministério da Promoção da Virtude e Prevenção de Vida, disse à AFP que uma directriz emitida pelo ministério pede para não oferecer transporte às mulheres que não usem o hijab islâmico.

“Às mulheres que viajem mais de 72 quilómetros não deve ser oferecido transporte, a menos que sejam acompanhadas por um familiar [masculino] próximo”.

De acordo com a France 24, a guia, que circulou nas redes sociais, contém outras restrições, tais como a proibição de música nos carros, bem como um pedido às apresentadoras de notícias femininas para usarem o hijab durante as suas apresentações.

 

Estes “pedidos” surgiram semanas depois dos canais de televisão terem sido convidados a deixar de mostrar dramas e novelas estreladas por mulheres.

Heather Barr, directora associada dos direitos das mulheres na Human Rights Watch, diz que isto “fecha oportunidades para elas se deslocarem livremente, para viajarem para outra cidade, para fazerem negócios, [ou] para fugirem se enfrentarem violência em casa”.

É uma recordação constante das regras estritas impostas pelos Talibãs no seu controlo passado do Afeganistão.

Muito triste.