Nova Zelândia aumenta impostos dos mais ricos e aumenta o salário dos pobres

 

A Nova Zelândia também luta contra a desigualdade social e procura impulsionar a economia após o impacto gerado devido à contingência sanitária provocada pela COVID-19 através do aumento do salário mínimo, bem como do imposto sobre as pessoas com mais riqueza.

Esta medida entrou em vigor a partir do dia 1 de abril de 2021 e é um esforço feito pela primeira-ministra do país, Jacinda Ardern. Segundo a primeira-ministra, o salário mínimo aumentará de $13,19 para $13,96 diários, o que beneficiará 175.000 habitantes.

Por outro lado, a partir de quinta-feira, dia 2 de abril, o imposto aumentará para 39% para pessoas que ganhem mais de 125.654 dólares. Anteriormente, o limite era de 33%, pelo que se prevê que 2% dos contribuintes serão afetados.

As estimativas feitas pelo governo da Nova Zelândia sugerem que estas novas medidas fiscais podem acrescentar até cerca de 384 milhões de dólares aos cofres do fisco e serão refletidas este ano. Posteriormente, até 2024, serão adicionados cerca de 443 milhões de dólares.

No final da reunião que levou à tomada de decisão, Ardern salientou que estas mudanças são muito importantes porque representam verdadeiras melhorias. Foram também há muito esperadas pelas pessoas mais vulneráveis.

 

A decisão teve tantos apoiantes como pessoas a criticar, pois é elogiada pelos sindicatos de trabalhadores e criticada pelos proprietários de empresas que afirmam não estar ainda a recuperar do caos económico causado pela crise pandémica, tendo muitas empresas cortado pessoal ou fechado as suas portas devido ao confinamento, especialmente na cidade de Auckland.

O Ministério do Desenvolvimento Social da Nova Zelândia divulgou alguns dados que mostram que as empresas neozelandesas têm contratado mais pessoas desde o início do ano, mas ainda há muitas pessoas que continuam a receber subsídios de desemprego do governo. De facto, há mais 60 mil pessoas do que no ano passado, quando a pandemia começou.

Para além disso, existe um relatório emitido em dezembro de 2020 que indica que o défice para o ano fiscal 2020/2021, que termina a 30 de Junho próximo, será de cerca de 7,156 milhões de dólares, montante esse que está abaixo da previsão, mas a dívida líquida será aumentada em 45,6% do Produto Interno Bruto (PIB) face a 2023/2024.

Recordemos que no início da pandemia, em março de 2020, a Nova Zelândia tomou medidas algo drásticas, que serviram para tentar reduzir a transmissão da doença, o que o país conta com 2141 casos confirmados e 26 mortes. Nada mau em comparação com outros países.