O primeiro ser humano sem coração conseguiu viver sem pulsação

 

Nos últimos anos, a medicina moderna tem-nos dado tudo, desde novas vacinas para nos proteger de doenças mortais até aos tratamentos inovadores contra o cancro.

A mesma tem-nos dado esperança em inúmeras ocasiões – incluindo em 2011, quando os médicos revelaram uma máquina que poderia permitir a um humano viver sem coração, um dos órgãos mais importantes do corpo.

Após décadas de tentativa e erro entre os cirurgiões, tentando desesperadamente criar uma máquina que não se avariasse ou causasse coágulos de sangue e infecções, dois médicos do Texas Heart Institute desenvolveram um dispositivo que utilizava rotores giratórios para bombear sangue à volta de um corpo sem pulsação.

O Dr. Billy Cohn e o Dr. Buz Frazier testaram a ideia pela primeira vez num bezerro de oito meses chamado Abigail, retirando-lhe o coração e substituindo-o com sucesso por duas bombas centrífugas, que faziam circular o sangue através dela.

Depois de terem praticado em 38 vitelos, Cohn e Frazier progrediram para testes em humanos, tendo escolhido um homem de 55 anos chamado Craig Lewis, que sofria de amiloidose, uma doença autoimune rara que causa uma acumulação de proteínas anormais e, por sua vez, insuficiência cardíaca, renal e hepática rápida.

O coração de Lewis tinha ficado tão danificado que os médicos lhe deram cerca de 12 horas de vida, altura em que a sua esposa Linda sugeriu algo drástico. A sua esposa Linda disse: “Ele queria viver, e nós não o queríamos perder. Nunca se sabe quanto tempo se tem, mas valeu a pena”.

 

Em março de 2011, ela foi ter com de Cohn e Frazier, que removeram o coração do seu marido e instalaram o dispositivo artificial.

Linda disse: “Eu ouvi e foi um zumbido, o que é espantoso. Ele não tinha pulso”.

Ela disse que o seu marido – que trabalhava para a cidade de Houston, mantendo o vasto sistema de bombas de águas residuais da cidade – teria apreciado a constituição do coração – Dacron no interior e fibra de vidro impregnada em silicone no exterior”.

Os médicos disseram que a bomba de fluxo contínuo deveria durar mais do que outros corações artificiais, e que causaria menos problemas.

“Olhamos para todos os animais, insectos, peixes, répteis e certamente todos os mamíferos, e vemos uma circulação pulsátil”, acrescentou Cohn.

“E assim toda a investigação inicial e todos os esforços iniciais foram dirigidos para fazer bombas pulsáteis”.

A única razão pela qual o sangue tem de ser bombeado ritmicamente em vez de ser bombeado continuamente deve-se ao tecido do coração.

Cohn continuou: “A pulsatilidade do fluxo é essencial para o coração, porque ele só pode obter alimento entre batimentos cardíacos”.

Após o procedimento, Lewis acordou e começou a recuperar – sendo que foi capaz de falar e sentar-se numa cadeira.

Contudo, o seu estado começou então a deteriorar-se à medida que a doença atacava o seu fígado e rins, e infelizmente faleceu em abril do mesmo ano.

Ainda assim, ele conseguiu viver durante mais de um mês com o coração sem pulso, com os seus médicos a dizerem que as bombas tinham funcionado sem falhas.