Pfizer começa a desenvolver comprimido contra a COVID-19 que poderá estar disponível ainda este ano

 

As crises trazem sempre grandes mudanças, e desta vez não será excepção, pois recentemente foi anunciado um comprimido para combater a COVID-19, que em princípio irá estar disponível para a população pouco antes do final de 2021.

No final do mês de março, iniciaram-se os ensaios clínicos da Fase 1 de um medicamento chamado PF-07321332 e verificou-se que era bastante eficaz contra o coronavírus devido aos inibidores da protease que contêm, que se ligam às enzimas virais, impedindo que os vírus se reproduzam na célula.

Segundo Mikael Dolsten, diretor científico da Pfizer, é necessário enfrentar a pandemia a partir de diferentes pontos.

O SARS-CoV-2 está em constante mutação e o impacto que tem tido em todo o mundo torna essencial encontrar e dar acesso a diferentes opções terapêuticas para ajudar a controlar a doença, mesmo para além da pandemia. De facto, os inibidores de protease foram considerados eficazes no combate a outros agentes patogénicos, tais como o VIH e a hepatite C. É assim que percebemos que os avanços que saem de uma crise podem beneficiar outros campos da medicina.

Albert Bourla, CEO da Pfizer, disse que este novo tratamento antiviral é estimado ser eficaz contra as variantes do coronavírus. Anunciou também que estão em curso na Bélgica e nos Estados Unidos ensaios clínicos deste novo medicamento com 60 voluntários com idades compreendidas entre os 18 e os 60 anos, aos quais foram administrados comprimidos capazes de curar esta infecção desde 23 de março, estando previsto que a Fase 1 deste ensaio clínico termine a 25 de Maio. O melhor de tudo é o resultado: consta-se que os tratamentos estão a produzir excelentes resultados.

 

Mas não é tudo, Bourla explicou que a Pfizer não só está a desenvolver os comprimidos, mas também está a fazer o mesmo com um tratamento para o mesmo fim que seria aplicado por via intravenosa.

O foco tem sido, por enquanto, a versão oral, porque os especialistas procuram que as pessoas possam evitar uma viagem ao hospital ou outro tipo de cuidados médicos para receber tratamento, uma vez que tomá-lo em casa seria uma verdadeira mudança do contexto em que vivemos atualmente.

O tratamento está na Fase 3 de testes e se tudo correr bem, ouviremos falar dele no final deste ano. Uma atualização detalhada sobre o medicamento será também dada este verão.

Relativamente à vacina, o diretor executivo da Pfizer fez saber que é muito importante que as nações mais pobres tenham mais e melhor acesso às vacinas, porque no meio de uma pandemia, toda a população deve ser protegida sem excluir absolutamente ninguém, uma vez que, ao vacinar uma pessoa, está-se a tentar cuidar dos que a rodeiam.

Belas notícias.