Raposas do Ártico são alimentadas em jaulas minúsculas de forma a engordarem para suportarem o mercado dos casacos de pele

 

É um cenário verdadeiramente aterrador: estamos perante animais com pés deformados, orelhas em falta e problemas na visão. Um grande número de raposas do Ártico foi descoberto em pequenas jaulas na “capital da criação de peles” desse tipo de animal na Europa.

Imagens angustiantes de uma quinta na região de Ostrobothnia, na Finlândia, mostram várias raposas do Ártico forçadas a viver em pequenos espaços de metal escuro, de cerca de um metro quadrado, sem nada em que possam repousar.

Elas fazem parte de um grupo de cerca de 1-2 milhões de raposas criadas todos os anos em cerca de 750 quintas na Finlândia, sendo que são usadas para fazer roupa, especialmente casacos de pele, de acordo com uma reportagem do jornal britânico Daily Mirror.

 

As raposas são criadas para crescer até um tamanho exagerado, de forma a poderem assim oferecer mais pele. Consta-se que chega a um ponto em que até fica difícil de reconhecer a própria espécie, de tão maltratadas que as raposas ficam.

A Inglaterra e o País de Gales foram os primeiros países do Reino Unido a banir a prática por motivos éticos em 2000. A Escócia aderiu dois anos depois. Mas o material ainda é importado de países como Finlândia, Polónia e China para ser usado pelas principais marcas da moda.

Muito triste.