Sapo gigante encontrado nas Ilhas Salom√£o

 

– Em Honiara, nas Ilhas Salom√£o, foi encontrado um enorme sapo quase do “mesmo tamanho que um beb√© humano”.

РJimmy Hugo, de 35 anos, disse ter encontrado o anfíbio enquanto caçava porcos selvagens.

РA espécie é chamada Cornufer guppyi e é considerada rara.

Imagina como reagirias se encontrasses um sapo enorme, quase do mesmo tamanho de um bebé humano. Bem, foi exatamente isso que aconteceu em Honiara, nas Ilhas Salomão, depois dos habitantes locais terem encontrado um sapo que muitos descreveram como o maior que já viram.

Segundo relatos, o anfíbio foi encontrado em Abril passado em Honiara, nas Ilhas Salomão. Pesava quase um quilo.

Aparentemente, Jimmy Hugo, de 36 anos, andava à caça de porcos selvagens na área quando encontrou o sapo do tamanho de um bebé humano. Mais tarde, tirou algumas fotografias e publicou-as nas redes sociais. A partir daí, tornou-se viral.

“No in√≠cio, pensei que apenas algumas pessoas o veriam e de repente vi muitas e muitas pessoas a comentar, surpreendidas”, comentou Hugo. “Fiquei muito surpreendido ao ver como as pessoas reagiam √† imagem.”

 

Numa entrevista, Hugo partilhou que os sapos s√£o chamados “galinha do mato” pelos alde√Ķes. Embora estas r√£s tenham a reputa√ß√£o de serem dif√≠ceis de apanhar, ele conseguiu apanh√°-la depois de os c√£es terem vindo atr√°s dela.

O sapo gigante foi comido pelos habitantes locais. “Esta √© a express√£o, √© galinha do mato”, acrescentou Hugo, dizendo que a sua carne √© na verdade “mais deliciosa do que a galinha”.

Numa publicação do Facebook, o biólogo Patrick Pikacha partilhou que estas raras rãs da água são chamadas Cornufer guppyi.

Ele escreveu:

“Em algumas ilhas como Nggatokae, estas r√£s s√£o os predadores terrestres nativos de topo na aus√™ncia de porcos, e podem crescer a tamanhos muito maiores do que os aqui mostrados.”

“Estas r√£s s√£o um excelente indicador da qualidade da √°gua. √Ä medida que mais rios ficam polu√≠dos em resultado de impactos antropog√©nicos, causados principalmente pela explora√ß√£o da madeira, em toda a sua extens√£o, est√£o a tornar-se raros.”