Youtubers cancelam a adopção de um bebé porque não o podiam mostrar na internet

 

Em mais uma história de Youtubers que só estão interessados em obter o maior número possível de subscritores a qualquer custo, um casal decidiu cancelar o processo de adopção de um bebé, simplesmente porque lhes foi negado que o bebé aparecesse nas suas fotografias e vídeos para as redes sociais, o que suscitou várias críticas, com as pessoas a considerar que o casal não queria adoptar por amor, mas sim para os ajudar a obter mais gostos.

Nikki e Dan Phillippi publicam material no seu canal de Youtube regularmente e estavam em processo de adopção de um rapaz bebé na Tailândia. Contudo, as leis desse país são muito claras e a criança não podia aparecer em qualquer conteúdo audiovisual durante um ano após ter sido adoptada, o que definitivamente não agradou o casal, pelo que eles decidiram cancelar o processo.

Antes de se retirarem como pais adoptivos, o casal propôs que o bebé aparecesse com o rosto coberto e usasse um hashtag especial para guardar a sua identidade, mas a recusa das autoridades era retumbante.

Dan e Nikki argumentaram que não queriam que o seu filho fosse incapaz de viver normalmente com as suas atividades habituais, tais como partilhar praticamente tudo no seu canal e redes sociais.

 

Dan disse:

“A Nikki tem um canal no Youtube e nós partilhamos muito. É o nosso estilo de vida e o bebé não ia poder fazer parte dele. Depois de ires buscar o teu filho, ele é o teu filho, mas não podes falar sobre ele ou partilhar fotografias, fotos, vídeos ou qualquer coisa sobre ele online”.

Através de um longo vídeo no Youtube, eles tentaram explicar o que tinha acontecido com tudo aquilo, especialmente por causa das críticas que foram desencadeadas ao considerá-los “oportunistas”, por supostamente só quererem tirar partido de ter um bebé.

Embora isto tenha acontecido em 2018, a controvérsia voltou ao de cimo através da Reddit, onde os comentários contra o casal continuaram a surgir.

Por um lado, pdeomos dizer que o casal tem razão, porque se eles estão habituados a partilhar tudo nas suas redes sociais, seria algo “natural” incluir o seu filho. No entanto, poderiam ter esperado o ano passar e depois tê-lo incluído, mas a sua decisão foi de desistirem da adopção.

No final, eles saberão porque o fizeram. O que achas tu?